O que dizer, quando lembramos da morte de Plínio Salgado? Como recordar o maior brasileiro de todos os tempos? O que pensar?

“O Chefe não é o Chefe”, dizia-nos Plínio: “o Chefe é uma ideia”. A vida de Plínio Salgado é a vida do Sigma. Quando, olhando para trás, pensamos no falecimento do Chefe (num dia como ontem, 8 de dezembro), devemos lembrar que não foi ali que ele morreu, e em momento algum poderá morrer, enquanto o Brasil estiver de pé. A vida de Plínio Salgado está aí, está na alma do Brasil: devemos buscá-la nas suas lições para nós.

Essa vida, tão clara, tão luminosa ainda após o seu falecimento, está aberta para ser vivida por todos nós. E algumas de suas lições, hoje, vêm mais do que a calhar.

  • Não existe antagonismo entre Cristo e César. As fórmulas ridículas do Estado laico contemporâneo querem tirar tudo que remeta ao Deus Cristão da vida pública. Plínio Salgado, que em Brasília reentronizou o Crucifixo à Câmara dos Deputados, antes entronizado no Rio pelo seu discípulo Goffredo, dava com isso uma lição para todos os que um dia pensassem nele. Nenhuma política é justa se não beber da fonte eterna da fé cristã.
  • A democracia não pode servir de desculpa para a imoralidade. A democracia é um sistema político. Usá-la de desculpa para dar plena expansão a todos os absurdos morais, a todas as formas de dissolução da Família e da Religião, é matar a própria democracia, porque a fonte legítima de todo Estado é Deus e a base de toda sociedade é o lar. O “conceito cristão da democracia”, de que nos falava Plínio Salgado, para sempre deve servir de régua das leis brasileiras, ou a Pátria inteira se dissolverá.
  • Fazer política sem os técnicos é demagogia. Se os políticos desprezam a colaboração dos técnicos, dos “entendidos do negócio”, dos representantes competentes dos órgãos científicos e profissionais, então suas leis passam a entrar sempre no funil da baixa demagogia. Achar que entende mais que os técnicos da ciência, da saúde e da tecnologia é matar o bem comum. É o que, em toda a sua vida, Plínio Salgado tentou nos dizer. Em 1966, não quiseram ouvir sobre sua “Câmara Orgânica”. Em 2021, estão todos preocupados com a ingerência da política no trabalho dos técnicos. Por que não dar uma chance a Plínio Salgado?
  • O Brasil é intocável. Quando a ONU, os Estados Unidos e a China têm o Brasil por um instável instrumento geopolítico, a lição mais importante de que devemos nos lembrar é a de Rui Barbosa, em Haia. Entre os barões dos impérios, diminuído, sem prestígio nem respeito, como está hoje o Brasil, Rui levantou-se, falou alto e impôs a Soberania Nacional. A atitude do mestre era lembrada a cada passo na trajetória de Plínio Salgado. O Chefe nos ensinou que, no Brasil, não se toca. Queira Deus que sejamos capazes de nos lembrar de Plínio Salgado, reagindo contra nossos inimigos e impedindo que se apossem de nós os inimigos de nossa Pátria.
  • Acima de tudo, amar o Brasil. Esta lição como que respira no cheiro de toda a vida e todas as palavras de Plínio Salgado. Não diminuir nossa Pátria. Não pensar que não temos jeito. Não vacilar. Não perder a esperança. Lutar, morrer, mas, acima de tudo, amar o Brasil. É esta a verdadeira continuação da sua obra.
LEIA TAMBÉM  O aborto é problema de chefes de Estado

Matheus Batista
Ipatinga Σ MG.

Inscrever-se!
Acompanhar
guest
1 Comentário
antigo
novo mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Antônio Carlos Cunha de Lima

Plínio Salgado, prócer incontestável de verdadeiro patriotismo, modelo para todos os que amam esta grande nação.

1
0
Este texto aceita comentários!x
()
x