Precisamos de sua ajuda para manter nossas atividades.
Atualmente, além das inúmeras despesas fixas, são também centenas de metas, projetos e desafios a conquistar que dependem de sua colaboração direta. Escolha abaixo como pode nos ajudar:

Ação voluntária

Atue junto aos núcleos, participe de cursos, panfletagens, manifestações e divulgue a doutrina para outras pessoas.
Ação voluntária
OU

Contribuição financeira

Ajude a manter nossos projetos. Para colaborações financeiras, escolha aqui a opção mais adequada a você: boleto ou depósito.
Colabore



Carta à TV Cultura

Tivemos a oportunidade de assistir, no último dia 9 de agosto,  na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, no Largo de São Francisco,na Capital Paulista, à exibição do documentário Carta aos Brasileiros – Goffredo da Silva Telles Junior, dirigido por Helio Goldsztejn e realizado pela TV Cultura, que o exibirá no próximo dia 18 de agosto, às 23:30. No mesmo dia, o primeiro da VII Semana Goffredo Telles Junior, foi inaugurado, na mesma Faculdade de Direito, o Auditório Goffredo Telles Junior, bela e justa homenagem a este que é não apenas um dos mais brilhantes vultos do nosso pensamento jurídico, como também do nosso pensamento político, e foi, ainda, lançada, pela editora Migalhas, a obra Doze Trabalhos – Caminhos do Brasil, contendo doze textos do Prof. Goffredo Telles Junior.

O aludido documentário está bom, merecendo nossos sinceros elogios, mas estaria ainda melhor se houvesse tratado da relevante atuação do Professor Goffredo Telles Junior como Deputado Federal Constituinte, em 1946, e como Deputado Federal, entre os anos de 1946 e 1950, pelo Partido de Representação Popular (PRP), e, principalmente, se dele não constassem equivocadas afirmações do Sr. Dr. Modesto Carvalhosa a respeito do Integralismo e do Professor Goffredo Telles Junior, bem como duas afirmações igualmente errôneas do Professor Tercio Sampaio Ferraz Jr. a respeito de ambos.

Havendo feito referência ao Partido de Representação Popular, julgamos ser oportuno assinalar que esta agremiação política, sob a presidência de Plínio Salgado, sempre pugnou pelos ideais essencialmente cristãos e brasileiros do Integralismo, levando a todo o País, nas palavras de Plínio Salgado, “o sentido profundo da brasilidade, da independência, da soberania e do pundonor do Brasil”.[1]

No que diz respeito à atuação do ilustre autor de A criação do Direito e de A Democracia e o Brasil (Goffredo Telles Junior) enquanto Constituinte e Deputado Federal pelo Partido de Representação Popular, reputamos ser mister sublinhar sua marcante atuação em defesa da soberania brasileira sobre a nossa Amazônia, na vitoriosa luta contra a criação do Instituto Internacional Hileia Amazônica, em 1949, e em prol do municipalismo e da reforma do sistema de discriminação de rendas tributárias de nosso País. 

Quanto ao Dr. Modesto Carvalhosa, sustentou este, no referido documentário, que Plínio Salgado apoiava o fascismo, antes da II Guerra Mundial, que o Integralismo é um movimento favorável ao Estado Totalitário, que as ideias políticas do Professor Goffredo Telles Junior mudaram radicalmente ao longo de sua vida e que este, integralista na juventude, acabou se tornando posteriormente anti-integralista. Em verdade, porém, como demonstraremos a seguir, Plínio Salgado sempre teceu diversas críticas ao fascismo, o Integralismo jamais pugnou pelo Estado totalitário, as ideias políticas do Professor Goffredo Telles Junior jamais mudaram substancialmente, como ele próprio ressaltou inúmeras vezes, e, por fim, o autor da Carta aos brasileiros jamais se tornou um anti-integralista, tendo apenas buscado outros caminhos para a divulgação de suas ideias quando o Integralismo perdeu muito da força que antes tivera, como fez ver, no próprio documentário, o insuspeito Professor Dalmo Dallari.

Como bem ponderou o jusfilósofo e historiador das ideias políticas espanhol Francisco Elías de Tejada, “uma enfiada de interesseiras calúnias, propalada pela imprensa hostil, procurou apresentar o Integralismo como forma brasileira do fascismo italiano; quando o certo é que Plínio Salgado, na sua atitude de católico granítico, sem tolerar a mais mínima concessão, respondeu sempre repelindo o totalitarismo nacionalista de Benito Mussolini”.[2] Com efeito, por exemplo, na obra A Quarta Humanidade, de 1934, Plínio Salgado afirmou que a concepção integral do Universo e do Homem repele o Estado totalitário, que só pode ser engendrado por quem tem uma visão unilateral do Universo e do Homem,[3] e criticou duramente o fetichismo do Estado característico do fascismo,[4] e, no texto Estado totalitário e Estado Integral, originalmente publicado no livro A Doutrina do Sigma, de 1935, deixou claras as profundas diferenças que separam as concepções de Estado integralista e fascista, condenando duramente o Estado totalitário característico desta.[5] Assim, como escreveu Francisco Elías de Tejada, se algo existe “claro como a luz do meio-dia, no pensamento pliniano, é que, em todos e cada um dos momementos de sua vida a concepção católica do homem sustentada pelo Integralismo” é absolutamente incompatível com o totalitarismo estatal fascista.[6]

A concepção de Estado integralista, exposta por Plínio Salgado, como observamos há pouco, em Estado totalitário e Estado Integral, foi muito bem sintetizada por Goffredo Telles Junior na obra Justiça e Júri no Estado Moderno, de 1938,[7] numa lapidar definição que o ilustre jusfilósofo patrício fez sua até o fim de seus dias neste Mundo e citou em seu livro de memórias, intitulado A folha dobrada e publicado em 1999.[8]

A página de A folha dobrada em que o Professor Goffredo Telles Junior transcreveu sua definição de Estado Integral é uma das muitas páginas de tal obra em que fez a clara defesa do Integralismo contra os seus detratores, sustentando, aliás, que o Integralismo ocupava uma justa “linha de centro, contrária ao totalitarismo do Estado e contrária ao liberalismo da burguesia”, opondo, “ao Estado totalitário e ao Estado burguês da liberal-democracia”, o Estado Integral[9] e pugnando pela implantação, no Brasil, “de uma Democracia autêntica”.[10] 

Também em A folha dobrada, o Professor Goffredo Telles Junior, ao tratar do Manifesto da Legião Revolucionária de São Paulo, observou que este “famoso documento”, escrito “por Plínio Salgado, romancista de vanguarda, que vinha se destacando, como escritor e jornalista exponencial do nacionalismo brasileiro”, tratava “das mais cruciantes questões sociais de nossa terra e enunciava as reivindicações populares daquele tempo”.[11] Diga-se de passagem que em tal documento, que pode ser considerado um manifesto integralista, embora seja anterior ao surgimento oficial do Integralismo, Plínio Salgado ressaltou que “não devemos transplantar para o Brasil, nem o fascismo nem outros sistemas exóticos”.[12]  

Além da apologia que fez do Integralismo nas páginas de suas memórias, em que listou diversas obras de Plínio Salgado entre os “notáveis livros” que relevante papel tiveram em sua formação e seu conhecimento sobre o Brasil[13] e ressaltou que os cinco anos de atividade política na Ação Integralista Brasileira (AIB) encheram sua “juventude de encanto e beleza” e foram “uma extraordinária experiência de fraternidade humana, idealismo e coragem”,[14] o Professor Goffredo Telles Junior empreendeu a defesa do Integralismo em diversas entrevistas.

Goffredo da Silva Telles lê a célebre carta aos brasileiros.

Ademais, o Professor Goffredo Telles Junior, que, até o fim de seus dias na Terra, dirigiu-se sempre a todo integralista como “companheiro”, foi, igualmente até o final de sua existência terrena, membro e colaborador da Casa de Plínio Salgado, instituição de que temos a honra de ser 1º Vice-Presidente e Presidente em exercício e que sempre lutou pela divulgação da obra não apenas literária, religiosa e histórica, mas também filosófico-política de Plínio Salgado. Outrossim, só não foi ele o autor do prefácio da obra integralista “Existe um pensamento político brasileiro?” Existe, sim, Raymundo Faoro: o Integralismo!: uma nova geração analisa e interpreta o Manifesto de Outubro de 1932 de Plínio Salgado, organizada e editada por Gumercindo Rocha Dorea, em razão de seu frágil estado de saúde. A aludida obra, de que temos a honra de ser um dos autores, ficou pronta, em sua versão inicial, meses antes do falecimento do velho e sempre jovem mestre, só tendo, porém, sido dada à estampa em 2015, com um prefácio, aliás excelente, do Professor Acacio Vaz de Lima Filho. Este, inclusive, bem se recorda de que, numa conversa telefônica que teve com o Professor Goffredo Telles Junior pouco tempo antes de sua partida deste Mundo, referiu-se este ao Manifesto de Outubro, documento inaugural do Integralismo, escrito por Plínio Salgado, como “o nosso Manifesto”.

Além do mais, qualquer um que verdadeiramente conheça o Integralismo  e aquilo que o Professor Goffredo Telles Junior escreveu enquanto atuou politicamente no Movimento Integralista, inicialmente na AIB e depois no PRP, entre princípios da década de 1930 e fins da década de 1950, e leia trabalhos posteriores do autor do Tratado da consequência (Goffredo Telles Junior) como A Democracia e o Brasil, de 1965,[15]e a recém-publicada aula de encerramento do curso de pós-graduação sobre a representação política, proferida na Faculdade de Direito da USP em 27 de outubro de 1976,[16] verá que tais trabalhos estão plenamente de acordo com o pensamento integralista e com tudo aquilo que   o Professor Goffredo Telles Junior defendeu enquanto militante integralista.  Aliás, mesmo a maior parte da Carta aos brasileiros, de 1977, está plenamente de acordo com os princípios integralistas, ainda que nela possamos perceber, aqui e ali, o reflexo de algumas ideias políticas liberais, incluindo, lamentavelmente, o infausto mito rousseauniano da soberania do povo.

Quanto ao Professor Tercio Sampaio Ferraz Jr, afirmou este  que o Integralismo é contrário ao Estado de Direito e que a concepção de Estado do Professor Goffredo Telles Junior mudou bastante, tormando-se uma concepção muito diversa daquela integralista. Em verdade, porém, a concepção de Estado do Professor Goffredo Telles Junior não mudou, tanto que, como vimos, poucos anos antes de falecer, fazia ele ainda sua a definição de Estado que escrevera quando jovem, e, ademais, o Integralismo sempre defendeu o autêntico Estado de Direito, entendido, como diria Francisco Elías de Tejada, como o “Estado jurídico”, em que “a ordem da convivência esteja expressa por normas autenticamente jurídicas, nas quais, além de ficar estabelecida a ordem da convivência, se estatua um ordenamento que seja justo”,[17] ou, noutras palavras, um Estado não apenas de Direito, mas também de Justiça.

Portanto, Plínio Salgado, defensor do Direito Natural Tradicional, ou Clássico, e de um Estado Ético de Direito e de Justiça, a um só tempo antitotalitário e anti-individualista,  jamais deixou de condenar veementemente diversos aspectos do fascismo italiano, o Integralismo jamais foi um movimento totalitário e contrário ao Estado de Direito e Goffredo Telles Junior jamais ficou contra o Integralismo.

Antes de concluir estas linhas, faz-se mister assinalar que, da mesma forma que o Integralismo não se confude com o fascismo, não se confunde este último com o nacional-socialismo alemão, mais conhecido como “nazismo”, como tem sido assinalado por diversos estudiosos do fenômeno fascista, a exemplo de Anthony James Gregor e Zeev Sternhell. Destarte, não consideramos feliz a escolha do diretor do documentário em questão de ilustrar o trecho do depoimento do Dr. Modesto Carvalhosa em que este faz referência ao fascismo com imagens de campos de concentração nazistas.

Ainda antes de encerrar esta carta, julgamos ser oportuno ressaltar que não trataremos aqui da mudança de posição do Professor Goffredo Telles Junior a respeito do Movimento de 31 de Março de 1964 e dos chamados governos militares, que consideramos um assunto secundário e que daria outra carta.

Fechamos a presente carta sublinhando, uma vez mais, que o documentário de que ora tratamos, a despeito dos problemas que nele apontamos, está realmente bom, merecendo os nossos sinceros elogios e honrando a TV Cultura e o seu diretor.


Victor Emanuel Vilela Barbuy,
Presidente Nacional da Frente Integralista Brasileira e 1º Vice-Presidente e Presidente em exercío da Casa de Plínio Salgado,
São Paulo, 17 de agosto de 2016-LXXXIII.


Notas:
[1] Discurso do Teatro Municipal do Rio de Janeiro (27 de outubro de 1946), in Discursos, 3ª edição, in Obras Completas, volume 10, 2ª edição, São Paulo, Editora das Américas, 1957, p. 265.
[2] Plínio Salgado na tradição do Brasil, Tradução de Gerardo Dantas Barreto, in VV.AA., Plínio Salgado: “in memoriam”, vol. II, São Paulo, Voz do Oeste/Casa de Plínio Salgado, 1986, p. 65.
[3] A Quarta Humanidade, 6ª edição, in Obras Completas, volume 5, 2ª edição, São Paulo, Editora das Américas, 1957, p. 104.

[4] Idem, p. 109.
[5] Madrugada do Espírito, 4ª edição, in Obras Completas, volume 7, 2ª edição, São Paulo, Editora das Américas, 1957, pp. 443-449.
[6] Plínio Salgado na tradição do Brasil, in VV.AA., Plínio Salgado: “in memoriam”, vol. II, cit., p. 66.
[7] Justiça e Júri no Estado Moderno,São Paulo, Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1938, pp. 31-32.
[8] A folha dobrada: lembranças de um estudante,Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999, p. 105. Eis a definição de Estado Integral do Professor Goffredo Telles Junior, que, em Justiça e Júri no Estado Moderno, o chama de “Estado Moderno”: “Chamamos Estado Moderno o Estado Ético, anti-individualista e antitotalitário. Sem ser princípio nem fim ele é o Estado que se subordina à hierarquia natural das coisas. Cingindo-se a sua missão de meio, ordena-se por um ideal de finalidade. Criado para servir ao homem, orienta-se para os alvos que estejam em conformidade com o destino supremo do mesmo. (...) O Estado Moderno é anti-individualista porque faz prevalecer o Social sobre o Nacional e o Nacional sobre o Individual. Reconhecendo a iniquidade da “lei do mais forte”, proclama o princípio da “liberdade justa”. Em consequência, cinge-se ao preceito universal de que a atividade dos indivíduos está subordinada aos interesses superiores da coletividade.O Estado Moderno é antitotalitário porque faz prevalecer o Moral sobre o Social e o Espiritual sobre o Moral. Reconhecendo a iniquidade da tirania, proclama o princípio da intangibilidade da pessoa humana. Em conseqüência, submete-se aos transcendentes interesses do homem (Justiça e Júri no Estado Moderno, cit., loc. cit.
[9] A folha dobrada: Lembranças de um estudante, cit., loc. cit.
[10] Idem, p. 107.
[11] Idem, p. 98.
[12] Manifesto da Legião Revolucionária de São Paulo,in Antônio Carlos PEREIRA, Folha dobrada: documento e história do povo paulista em 1932,São Paulo, O Estado de S. Paulo, 1982, p. 519.
[13] A folha dobrada: lembranças de um estudante, cit., p. 123.
[14] Idem, pp. 118-119.
[15] A Democracia e o Brasil: uma doutrina para a Revolução de Março, São Paulo, Revista dos Tribunais, 1965.
[16] Aula de encerramento do curso de pós-graduação: A respresentação política e esclarecimentos posteriores, in Doze Trabalhos: Caminhos do Brasil, São Paulo, Migalhas, 2016, pp. 81-104.
[17] El Estado de Derecho em la tradición de las Españas, in PRIMEIRAS JORNADAS BRASILEIRAS DE DIREITO NATURAL, O Estado de Direito, São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, 1980, p. 186. Tradução nossa.

 

 

 


19/08/2016, 22:21:56



Carta à TV Cultura | - Integralismo | Frente Integralista Brasileira ..