Precisamos de sua ajuda para manter nossas atividades.
Atualmente, além das inúmeras despesas fixas, são também centenas de metas, projetos e desafios a conquistar que dependem de sua colaboração direta. Escolha abaixo como pode nos ajudar:

Ação voluntária

Atue junto aos núcleos, participe de cursos, panfletagens, manifestações e divulgue a doutrina para outras pessoas.
Ação voluntária
OU

Contribuição financeira

Ajude a manter nossos projetos. Para colaborações financeiras, escolha aqui a opção mais adequada a você: boleto ou depósito.
Colabore



Um editor integral: vida de Gumercindo é retratada em reportagem

Segue artigo intelectualmente honesto (apesar do título bastante infeliz) sobre o editor Gumercindo Rocha Dorea, Vice-Presidente da Frente Integralista Brasileira. O artigo, publicado na "Folha de S. Paulo", destaca o papel de GRD na Literatura Brasileira e na vida intelectual de nosso País. Sobre o título, melhor seria que ele houvesse sido "Editor Integral", título, aliás, da chamada para o artigo que consta da primeira página da seção "Ilustrada" daquele jornal, e cumpre ressaltar que Gumercindo Rocha Dorea combateu o comunismo, sim, e se orgulha disto, mas para o bem do Brasil e não para os EUA.

***

Gravadas nas capas de livros, as iniciais GRD escondem o baiano Gumercindo Rocha Dorea, tão lendário quanto discreto. Primeiro editor dos escritores Rubem Fonseca, Nélida Piñon e Fausto Cunha, além de criador de um selo pioneiro de ficção científica, Gumercindo se dedica a uma nova tarefa, aos 91 anos: "Quero recuperar livros jogados de escanteio ou pela ignorância, ou pela boçalidade cultural, ou pelo desinteresse".

Perto de comemorar os 60 anos da Edições GRD, fundada em 1956, ele não desiste de correr atrás de livros, a julgar pela frequência com que interrompe as conversas para buscar uma obra rara ou esquecida, sempre arisco entre as pilhas de jornais e documentos espalhados em seu apartamento no bairro da Aclimação, em São Paulo.

A missão de nonagenário começou com "Fausto - Ensaio sobre o Problema do Ser" (1922), de Renato Almeida. O próximo será "Pascal e a Inquietação Moderna" (1924), do pensador católico Jackson de Figueiredo.

Criador da lendária Edições GRD, Gumercindo Dorea, em seu apartamento na Aclimação. (Bruno Santos/Folhapress)

A ausência de patrocínio o obrigou a adaptar-se a uma carpintaria caseira. Sua filha mais velha, Tera, digita os originais que são rodados em tiragens pequenuchas de 30 exemplares. O dinheiro das vendas é investido na publicação de outra obra. "A gente nasce com esse verme, com esse visgo, com esse vírus. Minha mãe (Emérita) era cronista e poeta. Eu cresci com sete irmãos. Somente eu herdei isso dela", ele conta.

Este semestre, organizou a coletânea "Existe um pensamento político brasileiro? Existe, sim, Raymundo Faoro: o Integralismo!", em que dez jovens intelectuais analisam o Manifesto Integralista de Outubro de 1932.

Queixa-se da marginalização da GRD e culpa o preconceito ideológico de jornalistas e acadêmicos contra seu passado integralista jamais renegado, pois continua a defender as ideias de Plínio Salgado, amigo e ex-editado. "Nunca alimentei ódio contra ninguém. Mas ódios se voltaram contra mim", lastima. "Quando comecei a lançar os grandes romances, não era nada com a revolução de 1964 ou com o integralismo, mas com o meu espírito de respeito à liberdade e à dignidade alheia. Eu lia, gostava, botava meu selo".

Nascido em Ilhéus (BA), em 4 de agosto de 1924, Gumercindo concluiu o ensino médio em Salvador. Meninote de oito anos, participava das atividades da Ação Integralista Brasileira (AIB), cujo legado protegeria mais tarde, tornando-se editor do líder Plínio Salgado. Residente no Rio de Janeiro desde 1944, ele fundou a GRD em 1956, com a edição de "Filosofia da linguagem", de Herbert Parentes Fortes. Formado em Direito, migrou para São Paulo no final dos anos 60. O baiano estima ter lançado cerca de 300 livros em seis décadas.

REVELAÇÃO DE RUBEM

A estreia de Rubem Fonseca, 90, talvez seja o maior orgulho profissional. No início da década de 60, o romancista baiano Adonias Filho apresentou Gumercindo ao general Golbery do Couto e Silva, na sede do Ipês (Instituto de Estudos e Pesquisas Sociais). Criada em 1962, congregando militares e empresários, a entidade promoveu uma campanha de desestabilização do governo João Goulart (1961-64).

Fonseca dirigia a área de estudos e divulgação de projetos. No artigo "Anotações de uma pequena história", publicado na Folha (27/03/1994), o escritor argumentou que integrava a "corrente democrática" do Ipês, contrária à "ruptura da ordem constitucional".

"No primeiro contato percebi que Rubem, que assessorava o general, não era de muita conversa. Aconteceu porém que a secretária de Rubem (Fernanda Gurjan) me informou ter ele alguns contos na gaveta. Em confiança, me emprestou os originais", recorda Gumercindo.

Convencido pela força das primeiras páginas, decidiu enviar o inédito para a gráfica da Revista dos Tribunais, em São Paulo. Não demorou a receber as provas de "Os prisioneiros". Fonseca esbravejou, deu palavrões, pediu uma semana para pensar, e finalmente impôs uma condição: a capa deveria ser feita pelo filho, Zeca, de 5 anos. "Qual é o problema? Já vou economizar, porque não pagarei a seu filho. Quem sabe não temos um Mozart brasileiro nas artes gráficas?", brincou o editor, que também lançaria "A coleira do cão" em 1965.

Contatado por meio de sua filha, Bia Corrêa do Lago, Rubem Fonseca aceitou falar sobre a experiência com a GRD. "Conheci o Gumercindo Dorea muito superficialmente e pouco posso falar sobre a sua personalidade. Sei que ele era honesto com aqueles que editava, como eu, Nélida Piñon, Gerardo Mello Mourão e outros. Foi importante para mim, e certamente para os demais escritores que citei, o fato de a GRD ter lançado os nossos livros. Eu logo fui procurado por editoras de maior prestígio. Lembro-me que ele gostava de editar livros de ficção científica", declarou à Folha, por e-mail.

"É o maior presente dos meus 91 anos", emociona-se Gumercindo, assinalando que este é o primeiro depoimento de Fonseca, avesso a entrevistas, sobre seu trabalho. Lamenta não possuir nenhum exemplar autografado pelo mais célebre ex-editado.

Os livros "A Coleira do Cão" e "Os Prisioneiros", de Rubem Fonseca, editados por Gumercindo Rocha Dorea. (Rogerio Cassimiro/Folhapress)

APOIO AMERICANO

O catálogo político da editora foi pesquisado pela doutora em História e professora da Universidade Federal da Bahia, Laura de Oliveira, que lançou este ano o livro "Guerra Fria e política editorial - A trajetória da Edições GRD e a campanha anticomunista dos Estados Unidos no Brasil (1956-1968)".

"Embora, quando da inauguração da GRD, a editora tenha se dedicado mais a textos de linguística e filologia, bem como à literatura de ficção científica, os temas eminentemente políticos não tardaram a aparecer", observa Laura. "Além da Enciclopédia do Integralismo, publicada em parceria com a LCB (Livraria Clássica Brasileira), a GRD publicou dezenas de livros de cunho político entre as décadas de 50 e 60, que tinham como tônica principal o anticomunismo".

"Esses livros ajudaram a constituir uma ambiência intelectual favorável ao golpe civil militar e à legitimação do regime instaurado a partir de 1964", avalia. Nas pesquisas, contabilizou 48 livros "traduzidos, editorados, impressos e distribuídos no Brasil com recursos do governo norte-americano, através da United States Information Agency, a USIA, que operava dentro da Embaixada dos Estados Unidos no Rio de Janeiro". O Ipês atuava, principalmente, na distribuição de obras como "Anatomia do comunismo", de Walter Kolarz (e outros), e "Cuba, nação independente ou satélite?", de Michel Aubry, ambos de 1963.

A professora ressalva que "mais de 60 editoras brasileiras publicaram livros com subsídios da USIA nos seus pelo menos 20 anos de atuação no país". A GRD virou uma parceira tímida dos americanos entre 1962 e 1968 - "as principais foram a Fundo de Cultura, a Record e a Lidador" -, mas "seu perfil editorial a colocou no centro do debate politico desencadeado no Brasil entre as décadas de 50 e 60. Cada editor tinha autonomia para escolher os livros que queria publicar, no interior de uma lista aprioristicamente elaborada pela agência norte-americana".

Gumercindo ainda não recebeu o livro e prefere não comentá-lo. Questionado, faz revelações sobre o período: "Com o que sobrava do dinheiro que eu recebia da aquisição pela embaixada (americana) dos volumes contratados, renovei a literatura brasileira publicando Rubem Fonseca, Nélida Piñon, Gerardo Mello Mourão, José Alcides Pinto, Marcos Santarrita, Samuel Rawet, Astrid Cabral, Fausto Cunha, Maria Alice Barroso e alguns que no momento me esqueço. Houve outros editores que enriqueceram (com o convênio). Não citarei nomes. A GRD não ficou rica". O Instituto Nacional do Livro o apoiava na mesma época.

O editor limita a influência do fundador do Ipês: "Do Golbery, acho que um ou dois livros, que ele me sugeriu, eu gostei e publiquei". Em 1964, estava ligado ao general e a Adonias Filho, eleito no ano seguinte para a cadeira 21 da Academia Brasileira de Letras.

"Eles nem sabiam, mas eu pertencia a um grupo de quatro pessoas de confiança da Marinha. Não conhecia os outros três. Cada um recebeu uma pistola. Nunca tinha usado nenhuma! Saí pela avenida Rio Branco e graças a Deus não aconteceu nada. Depois um oficial foi pegar de volta a pistola", relata. "Não tenho arrependimento de nenhum passo que dei em minha vida, salvo não saber ganhar dinheiro", diz Gumercindo, viúvo e pai de quatro filhos. Sobrevive com uma aposentadoria.

Apesar da militância integralista, garante que se dava "muito bem" com os comunistas e cita a amizade do romancista Jorge Amado, seu ex-adversário. "Houve uma época em que se ele me encontrasse na esquina, eu com uma pistola, ele com outra, o tiro pipocava. Começamos a ficar amigos depois da editora".

Em vez de aproximá-los, o golpe de 1964 provocou uma ruptura com o antigo aliado e criador do SNI (Serviço Nacional de Informações). "Adonias era candidato ao governo da Bahia em 1966, mas Golbery tirou o corpo e indicaram outro (Luiz Viana Filho). Adonias foi relegado", explica.

GARIMPOS

Pelo ineditismo, a "Antologia Brasileira de Ficção Científica" (1961) tornou-se um marco do gênero literário no país, reunindo André Carneiro, Antonio Olinto, Dinah Silveira de Queiroz, Fausto Cunha, Jerônymo Monteiro e Rubens Teixeira Scavone, entre outros. Despontava ali a "Geração GRD".

"Antes da atividade de Dorea, o gênero no Brasil era esporádico e inconstante, embora presente desde meados do século 19. Com a coleção Ficção Científica GRD, iniciada em 1958, a publicação constante e com obras de qualidade deu visibilidade ao gênero e sua escolha de temas (com a recorrência da guerra atômica) ajudou a caracterizar a Primeira Onda da Ficção Científica Brasileira (1957 a 1972)", reconhece o escritor Roberto de Sousa Causo. "Ele é o mais importante editor para a história da FC no Brasil". O americano Ray Bradbury seria incorporado ao catálogo.

A descoberta de pepitas literárias era o aspecto prazeroso de seu ofício, logo abalado pelas chateações nas livrarias. Gumercindo suava: "Eu mesmo fazia a apresentação de meu editado e normalmente deixava o livro em consignação. Afinal, quem era GRD frente aos grandes editores? O drama era receber o pagamento".

Uma de suas revelações veio do garimpo de Guimarães Rosa. "Ô Gumercindo! Tenho um bom livro pra você editar!", anunciou Rosa, na Biblioteca Nacional do Rio, antes de recomendar "Serras Azuis" (1961), de Geraldo França de Lima.

Há os arrependimentos, encabeçados pela rejeição ao primeiro romance de João Ubaldo Ribeiro, "Setembro não tem sentido", concluído em 1963 e somente lançado em 1968 pela José Álvaro. "Para ser sincero, ainda não gosto desse livro", admite. Um possível consolo é esquecido. A GRD publicou "Josefina", um dos primeiros contos de Ubaldo, na coletânea "Histórias da Bahia", naquele mesmo 1963.

PLÍNIO E INTEGRALISMO

Último lançamento da GRD, o livro "Existe um pensamento político brasileiro?" traz um "Recado" de Gumercindo Rocha Dorea ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, apontado como caluniador do integralismo. O editor refuta as teses historiográficas sobre a aproximação de Plínio Salgado com as ideias nazi-fascistas na Europa.

"Foi, com incontida revolta interior, que tive o desprazer de adquirir os dois últimos volumes de sua autoria ("O improvável presidente do Brasil" e "Pensadores que inventaram o Brasil"), um com Brian Winter, onde estão repetidas velhas e surradas calúnias contra o Integralismo e seus seguidores. Mais lamentável ainda por ter sido forjado o livro para 'deleite' de Bill Clinton e de alguns possíveis leitores da grande república americana", atacou o editor.

No ensaio "Fotógrafo amador", a respeito de Paulo Prado (autor do clássico Retrato do Brasil - Ensaio sobre a tristeza brasileira), FHC criticou o "desvio fascistizante do verde-amarelismo, que chegou a ser ridículo e falso, como em Plínio Salgado".

Nascida de um encontro não mais que ameno, a amizade com o líder integralista originaria uma parte relevante de suas aventuras editoriais. "Plínio Salgado havia retornado do exílio (1939-1945) e não era fácil chegar até ele. De longe é que podíamos vislumbrar a sua figura, desde o momento em que foi realizado um encontro de jovens, e eu estava presente. Éramos um grupo razoável, de 40 ou 50 assistentes. E o papo foi longo, eles nos falou sobre o exílio, principalmente, acentuando o quanto esperava, em seu retorno, da juventude brasileira", relembra Gumercindo.

Anos mais tarde, entrou com um pequeno grupo no elevador do prédio de Salgado, no Rio. O líder integralista perguntou "quem era Gumercindo", afirmando que o poeta Augusto Frederico Schmidt queria conhecê-lo, pois gostara de um artigo no semanário "Idade Nova". Surpreso com a presença de Gumercindo naquele metro quadrado, determinou à mulher, Carmela Patti Salgado, que marcasse um jantar.

"A surpresa tinha razão de ser: eu não era frequentador assíduo de sua residência e tinha ido ali buscar a colaboração dele para o semanário 'Idade Nova', onde o meu artigo sobre Schmidt fora publicado... Não consigo me esquecer a pronúncia caipira que ele jamais perdeu, com o 'r' bem acentuado", descreve. "Este foi o primeiro contato direto que tivemos e que se aprofundou longamente através dos anos - até a sua morte (em 1975). Já tinha lido todas as suas obras, publicadas até aquele momento, tanto as literárias, quanto as políticas e as religiosas".

Gumercindo coordenou os "Discursos parlamentares" do mentor integralista. Pela GRD, editou "A quarta humanidade" e "Vida de Jesus", além de incluí-lo na "Enciclopédia do Integralismo", associado à Livraria Clássica Brasileira. Um quadro de Plínio Salgado permanece na sala de seu apartamento.

Ex-integralistas, Abdias do Nascimento ("O negro revoltado"), Miguel Reale ("Variações") e Gerardo Mello Mourão ("O valete de espadas") foram editados pela GRD. Dos tempos verdes, não se esquece da zanga dos companheiros do Rio Grande do Norte com as baforadas do folclorista Câmara Cascudo. "Deixem-me fumar um charuto, senão vou embora", ameaçava o escritor nas reuniões.

Leitor de clássicos e contemporâneos, Gumercindo não identifica inovações recentes na literatura brasileira. "Comparando com os que lancei, por exemplo. Qual contista ombreia o Rubem dos dois primeiros livros? Qual poeta hoje se equipara a Gerardo Mello Mourão? Qual romancista se equipara a Nélida? Há um Samuel Rawet? José Alcides Pinto? Não tem".

Na mesa de sua sala, os pratos são encaixados nos pequenos clarões dos recortes de jornais. Gumercindo ainda cozinha, lava a própria louça e se vira no café. Em um dos seis encontros entre 2014 e 2015, encomendou uma feijoada no restaurante vizinho, sem rejeitar o acompanhamento de uma cerveja. "Não repare. É a casa de um homem desorganizado", advertiu.

Dias antes havia relido "As minas de prata", de José de Alencar. "Fiquei uma semana voltado pra isso, e pensei: o que está acontecendo? A juventude de hoje nem sabe que existe uma obra como esta. As editoras não têm interesse. E, no entanto, é excepcional". É com fascínio que insiste: "Se eu tivesse dinheiro, ia mostrar a essa gente o que é editar livros num país que tem fome".


Folha de S. Paulo


* Originalmente publicado na seção Ilustrada da Edição Impressa do jornal Folha de S. Paulo e também disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/11/1703092-editor-que-revelou-rubem-fonseca-combatia-comunismo-para-os-eua.shtml


10/11/2015, 11:35:35



Um editor integral: vida de Gumercindo é retratada em reportagem | - Integralismo | Frente Integralista Brasileira ..